• (31) 3281-1090
 

Dia Mundial do Combate ao Diabetes

Saiba mais sobre a doença que acomete quase 7% da população brasileira


A Federação Internacional do Diabetes (IDF) definiu que, anualmente, em 14 de novembro, será celebrado o Dia Mundial de Combate ao Diabetes. O objetivo é alertar a população sobre a enfermidade, que pode ser silenciosa e se caracteriza pelo aumento dos níveis de açúcar no sangue.

A insulina é um hormônio produzido pelo pâncreas. É responsável por levar o açúcar para dentro das células. O diabetes é uma doença na qual o corpo não fabrica insulina ou é resistente à insulina que produz. Segundo dados da Sociedade Brasileira de Diabetes (SBD), atualmente, no Brasil, existem 13 milhões de diabéticos, ou seja, 6,9% da população tem a doença.  

 

Tipos de diabetes e suas diferenças

Diabetes 1: é uma doença autoimune, na qual o pâncreas não produz a insulina. Nesse caso, a falta de produção do hormônio faz com que a concentração de glicose no sangue aumente significativamente e a pessoa precise aplicar insulina diariamente por meio de injeções.

Diabetes 2: é uma doença crônica em que produção de insulina não é suficiente para o organismo ou o corpo não a absorve corretamente. As pessoas com diabetes tipo 2 produzem insulina, porém o corpo pode ser resistente ao hormônio. Esse tipo é mais comum em adultos com mais de 40 anos com sobrepeso ou obesidade.

Diabetes gestacional: se manifesta durante a gravidez, desaparecendo, na maioria dos casos, logo depois do parto.


Principais sintomas da doença

Excesso de urina, sede intensa, cansaço, perda de peso, aumento da fome, visão embaçada, dificuldade de cicatrização, infecções, enjoos, fraqueza e formigamento nos pés.

Ao perceber esses sintomas ou se existirem casos de diabetes na família a indicação é procurar o médico e fazer o exame de glicemia de jejum para verificar a taxa de açúcar no sangue.


Tratamento

O tratamento do diabetes é individualizado, conforme as características da doença e do paciente. Em alguns casos o uso de medicamentos orais é indicado; em outros, há necessidade de aplicação da insulina sintética. Entretanto, somente após avaliação médica o paciente saberá qual o tratamento adequado para o seu caso. De toda forma, seguir uma dieta balanceada e praticar exercícios físicos ajuda a controlar a doença.




Responsável Técnico: Dr. Manoel Jacy Vilela Lima - Diretor Técnico
HC-COOP • Todos os direitos reservados.
Desenvolvido pela ConsulteWeb.